Moçambique

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O AMBIENTE

 

A ampla planeza costeira, mais estensa ao sur, dá lugar a mesetas pouco elevadas no interior.  O país está situado sobre o trópico de Capricórnio, e o seu clima é cálido e relativamente seco. Dois grandes rios atravesan-no: o Zambeza, na parte central e o Limpopo ao sur. A sua situação geográfica converte os seus portos na via mais lógica de saída ao mar de Mañawi, Zimbabwe e parte de Sudáfrica, mas este comêrcio sofreu nas últimas duas décadas as consequências da guerra. Os recursos minerais são importântes mas todavia muito pouco explorados. A guerra devastou a estrutura produtiva do país, em especial a agricultura. A utilização dos bosques de manglares como lenha, provoca desforestação.


O ESTADO

Nome oficial: República Popular de Moçambique.
Divisão administrativa: 10 províncias.

Capital: Maputo, 931.000 hab. em 1991.

Governo: Joaquim Chissano, presidente desde novembrod e 1986. Pascoal Mocumbi, primeiro ministro desde 1994. A Asembleia Popular é o máximo órgão político.

Festa Nacional: 25 de junho, Independência(1975)

Forças armadas: 50.000 (governo); 20.000(RENAMO), 1993

LÍNGUA

A língua oficial é o portugués, enquanto que o inglés fala-o boa parte da população especialmente nas zonas turísticas e em Maputo, a capital. São numerosas as línguas de origem étnica que se falam no país, como xitsonga, ciyao, xironga, gitonga, chimaconde, ronka, changana, etc…

RELIGIÃO

A religião domminante, trazida pelos missionários portugueses, é o catolicismo. Existem mais outras religiões, como a protestante, a musulmama e a judea. Pervivem numerosas religiões animistas, mantidas, sobre tudo nas zonas rurais e muito hacia o o interior do país. Estas religiões estão arraigadas na cultura popular, de modo que é fácil alcontrar pessoas que confessem practicar uma das religiões maioritarias, e sem embargo, mantenhem as crenzas ancestrais como um valor popular.

COSTUMES

É tanta a variedade de culturas que não se pode falar de costumes generalizados, ja que muitas dependem da étnia á que pertenza unm povo ou região. Algumas som surpreendentes para a mentalidade occidental, como o costume das mulheres macua de pintar-se o rosto completamente de branco com uma massa feita com uma mistura duma raiz; elas aseguranm que é uma máscara de beleza e deixan-se ver em público com ela posta sobre o rosto. A étnia maconde tem os seus próprios cânons de beleza, como afiar os seus dentes ou cubrir-se de tatuagens; famosos pelas suas danças e pelas suas máscaras "mapico", som uns grandes artistas talhando a madeira e o marfim.


A música é uma manifestação artística de gran importância para muitos povos, é uma tradição entre os abitantes de Niassa, que formam orquestras com instrumentos populares de vento e percusão. Também o povo chope é um gran amante da música e a dança; som populares as suas danças (Timbila) acompanhadas de uma marimba, própria desta zona e de cabaças de diferentes tamanhos que chegan a ser ata 23 em algumas danças com as que formam orquestras, como os "marimbeiros de Zavala". Os Nhau som uns grandes bailarins, que demonstran uma agilidade atlética nas suas danças, nas que portam grandes máscaras, ademais das danças próprias dos ritos de iniciação.

Se se quixer apalpar a realidade moçambicana, o melhor é acercar-se a um mercado. Anque todos som muito tipicos, som muito diferentes os ums dos outros. Em os hotéis podem-nos recomendar quais som os mais interessantes ou curiosos, ademais de aqueles que apresentam menos perigo de sofrer algum contratempo.

HISTÓRIA MAIS RECIENTE

(...) Em 1951 unirom-se três partidos nacionalistas (UDENAMO, MANU e UNAMI) para fundar a Fronte de Liberação de Moçambique (FRELIMO) que se enfrontou ás potências coloniais. Com a Revolução Portuguesa (1974) iniciou-se a descolonização e conseguiron a independência como República o 25 de junho de 1975. O FRELIMO pasou a ser o único permitido e o seu lider, Sabora Machel, converteu-se em chefe do Estado. Na fronteira com Rhodesia (actual Zimbabwe) houbo enfrontamentos armados, e Sudáfrica sosteu a guerrilla opositora Movimento Nacional da Resistência de Moçambique (MNR ou RENAMO), que aumentou a sua actividade a partir de 1980.

Trás a morte de Machel (1986) ocupou o cargo de presidente Joaquim Chissano e em 1989 o regimem renunciou ao marxismo-leninismo e foi proclamada uma nova Constituição. Em 1992 assinou-se um acordo entre o FRELIMO e a RENAMO e acordou-se um reparto de poder. Nas elecções de 1994 venceu o FRELIMO e Chissano foi reelecto presidente, alcançando de novo o cargo em 1999.

GASTRONOMIA

A cozinha de Moçambique bassea-se em uma série de productos básicos: o arroz, as legumes, os pescados, o azeite de palma, as aves, o coco, os mariscos (sobre todo os langostins e camarões). É uma cozinha muito especiada, própia dos países calorosos, ja que dessa forma estám forçados a ingerir a quantidade de água suficiente para não ter problemas de deshidratação. Outros pratos muito comuns são frango com batatas ou mandioca frita, oswa ( papas de milho), pescado á brasa, frango á zambeçiana (cozinhado com azeite de palma)

FÉRIAS

1 de janeiro : Ano Novo
3 de fevereiro : Dia dls Heroes
7 de abril : Dia da Mulher
1 de maio : Dia do Trabalho
25 de junho : Dia da Independência
7 de setembro : Dia da Victória
25 de setembroe : Dia da Revolução
25 de dezembro : Natal

PASSAPORTES E VISADOS

Todos os visitantes devem ir provistos do seu passaporte, com uma vigência mínima de seis meses e um visado de entrada. Estes visados conseguem-se nos diferentes consulados de Moçambique no mundo ou na Direcção Nacional de Emigração de Maputo e precisam-se duas fotos de carnet. O visados tardan duas semanas em ser entregados, pelo que se requere planear com tempo a viagem para ter pronto o visado. Também pode obter-se antes, mas é mais caro.

Também se recomenda fazer fotocópias do passaporte, visado e outros documentos de identidade ou viagem importantes e autentifica-los com a assinatura de um notário, guardando a documentação em lugar seguro. Convêm não sair à rua com a documentação autêntica ou com as fotocópias não autorizadas pelo notário. Sempre se deve ir identificado.

SANIDADE

Não é preciso vacinar-se contra a febre-amarela, o tétano ou a hepatite, mas é conveniente consultar a um especialista em medicina tropical, sobre todo para prever algumas doenças tropicais com sintomas, como os da malária, que se parecem a uma simples gripe. 

Moçambique é um país tropical e é preciso tomar algumas medidas para não sofrer contratempos. Devem-se tomar precauções contra a malária, evitando as picadas de mosquito usando repelentes, mosquiteiros ou meias ao chegar a noite e começar as medidas profilácticas antes de chegar a Moçambique. Ainda que nas grandes cidades a água purifica-se, em caso de duvida, é preferível ferver a água antes de consumi-la ou proverse de água em garrafas, fácil de encontrar. Não beber água se não se está seguro da sua potabilidade. Recomenda-se estar provido de um seguro medico que cobra algumas contingências, como acidentes ou doença.

Em caso de necessidade pode-se acudir ao Hospital Central de Maputo ou a algumas clínicas privativas da capital; fora de Maputo, deve-se acudir aos hospitais públicos ou clínicas existentes. Recomenda-se consultar no hotel a clínica ou hospital mais próximo.

HORA OFICIAL

GTM + 2 horas

ELECTRICIDADE

220/230 vóltios, corrente alterna, 50 herzios. As tomadas eléctricas som de duas cavilhas redondas. Segundo do país que se proceda, é preciso trazer um adaptador.

ALOJAMENTOS

 Hotéis, pensões, centros de férias ou parques de campismo qualificados de uma a cinco estrelas. Os seus prezos som controlados oficialmente. Todos os clientes devem registrar-se e indicar a data da sua saida com antelação ou indicar que se pensa prolongar a estância. O dia da saida deve deixar-se libre a habitação antes das 12.00 horas. Existem livros de reclamações.

TROCO DE MOEDA

A moeda oficial de Moçambique é o Metical (1 € = 28.500 Mt). As notas de curso legal som de 5.000, 10.000, 50.000 e 100.000 meticais, enquanto que as moedas som de 500, 1.000 e 5.000 meticais. Os trocos de moedas devem fazer-se nos bancos, casas de troco autorizadas e hotéis. Tanto o rand sul-africano como o dólar estado-unidense aceitam-se como forma de pagamento, sobre todo o dólar.
Admitem-se cheques de viagem anque o troco é caro. O uso de cartões de crédito não está estendido, só em os hotéis e alguns restaurantes, pelo que se recomenda levar dinheiro em metálico. Os bancos estão abertos de 8 a 11 da manhã.

TAXAS E GORJETAS

Antes de sair de Moçambique, deve-se pagar uma taxa de embarque de 10 dólares estado-unidenses para voos internacionais na região de África Austral e de 20 dólares para o resto de voos internacionais. Dar gorjeta é uma prática comum. O mais usual é dar uma quantidade aproximada ao 10% do total da factura.

QUANDO IR

É preferível na temporada seca, de Abril a Outubre. A época de chuvas, muito calorosa é, mesmo imprevisível, podendo registar-se precipitações fortes ou muito fortes.

LUGARES DE INTERESSE

- Maputo :

Maputo, a capital de Moçambique, é a mais grande e moderna das cidades Moçambicanas. Chamada com anterioridade Lourenço Marques, é uma das cidades mais engraçadas do África Austral, com ruas largas, direitas e com abundante sombra, para fazer mais amenos os passeios. A pesares dos seus modernos edifícios, Maputo conserva numerosos recordos da sua passada vinculação com Portugal e edifícios surpreendentes, como a Casa de Ferro, modernista, de 1892 e inteiramente feita em ferro para o Governador, que não chegou a habita-la nunca... porque ia nela demasiada calor. A Estação foi desenhada pelo próprio arquitecto Eiffel em 1910 e ainda podem ver-se em elas as antigas locomotoras de vapor. A fortaleça é um dos edifícios mais antigos e hoje é museu militar, enquanto que a Sé de A Nossa Senhora da Assunção possui uns interessantes vitrais. Os Járdins Tunduru são um fresco oásis de frescura e sombra no centro da cidade e um lugar de visita inexcusável para os que amam a natureza tropical; foram desenhados em 1885 pelo paisagista inglês Thomas Honney assemelham-se a outros que desenhou para o Sultão de Turquia e o Rei da Greça. E, claro está, não faz mal se percorrer algum dos seus típicos mercados.

- Província de Niassa :

O mais grande atractivo, ou pelo menos o mais conhecido é a famosa Reserva de Niassa e que antes era refúgio de numerosos elefantes. Mas aí não terminam os alicientes para conhece-la pois o Lago Niassa é todo um prazer para os que quiser viver uma experiência "africana". Situado numa paisagem montanhosa, a única maneira de aceder é com um veículo 4x4 e é precisso estar bem preparado para chegar, pois numerosos turistas não podem.

- Província de Mampula:

Lugar de grande veleza, cuberta de bosques de miombo e com grandes formações rochosas, muito apreçadas pelos escaladores. O mais atraente da Província é Ilha de Moçambique, que dá nome a todo o país. Boa parte da mesma apresenta edificações de pedra de coral e conta com lugares tão interessantes como a Fortaleza de São Sebastião, o Palácio de São Paulo ou o Museu de Arte Sacro. Ilha Moçambique foi reconhecida como Património da Humanidade por parte da UNESCO.

- Província de Sofala:

Em Sofala destaca o Parque Nacional de Gorongosa, a uns 150 quilómetros de Beira, a capital da Província e a Reserva de Búfalos de Marromeu. Ademais disto, Sofala conta com outra particularidade: Beira, a capital, está situada numa zona plana por debaixo do nível do mar.

- Província de Õnhambane:

A sua capital, fundada pelos portugueses, é uma das mais antigas de África Austral, mas os lugares mais atrativos da Província são o Arquipélago de Bazaruto, um dos destinos turísticos mais famosos de Moçambique, com infra-estruturas turísticas de qualidade; as mais de cem praias da Província ( Zavala, Baia dos Cocos e Praia de Tofo e Promene são as melhores) e os seus dois parques nacionais: Zinave e Bazaruto.  

ACTIVIDADES

A natureza selvagem e umas magníficas praias de areia branca, orladas de coqueiros e, em alguns casos intactas, são duas razões para visitar Moçambique, onde se podem realizar numerosas actividades, como o mergulho entre corais, banhar-se ou pescar e, se desejár presumir de boas peças e é um esperto pescador, pode-se intentar cobrar um grande peije espada, já que se alugam barcos para praticar esta pesca. Empapar-se da cultura popular é uma das melhores coisas que se podem fazer e conhecer a sua rica artesania, uma das mais interessantes da zona.

COMO CHEGAR

De avião (operam varias linhas aéreas ademais das locais, LAM), de autocarro desde Sul-África ou de barco.

TRANSPORTES

Os transportes internos não são muito avançados ou cómodos. Organizam-se voos charter a diferentes províncias e também se pode viajar de barco. As estradas são poucas e o que mais abunda são as pistas de terra.